Páginas

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Vichy, para sempre ♥

Brasileiros em Vichy


Como tudo na vida, chegou o fim de mais uma etapa. Uma etapa que sabíamos que tinha data certa pra começar e também data certa para acabar (mas essa parte demoramos muito para entender). Hoje é meu último dia em Vichy, a cidade que me abrigou por dois meses e me trouxe TANTA coisa boa!

Demorei para acreditar que estava na França, que todo aquele sonho começava a se tornar realidade. Parece que foi ontem que eu estava entrando na faculdade e assistindo uma palestra sobre intercâmbios numa 'disciplina' dedicada para os calouros. Sabia que aquilo era pra mim, mas realmente não acreditava que era possível. Me dediquei muito ao passar dos semestres, me preparei acadêmica e psicologicamente para essa etapa tão importante para o meu futuro. Chega a ser engraçado, a gente começa a pensar em tudo o que passamos para chegar até aqui, desde a preparação das tão complicadas cartas de motivação e da temida entrevista até o dia da viagem. Tive ao lado de pessoas que compartilharam do desespero de não ter recebido documentos, da angústia na semana em que sairia o resultado da bolsa, das burocracias que teríamos que enfrentar antes de sair do Brasil, das provas finais que eram tão próximas da data da viagem... Corríamos atrás dos novos veteranos (quem diria que seríamos bixos novamente!) para tirar dúvidas, atrás dos Prof. Pissolato e Serpa, da Marta... Passou tudo tão rápido! E vemos o quão boa foi toda essa preparação, toda essa ansiedade!


Esses dois meses, então, passaram voando. Parece que foi ontem que chegamos e estávamos indo na segunda-feira de manhã ao CAVILAM, pra fazer a prova de nivelamento e algumas horas depois perceber que ela não serviu pra nada. Conhecer os diversos colégios, ter estilos de professoras bem diferentes e fazer amizade com elas. Almoçar no RU no estilo brasileiro de tentar cortar fila e ver os chineses realmente correndo para chegar primeiro quando não tem fila alguma; ouvir o tio reclamando que pegamos, sem querer, dois queijos ou duas sobremesas; encher a comida de ketchup para dar gosto, doar comida para os amigos. Tomar vários cafés, capuccinos, chocolates (e até experimentar a sopa!) nas máquinas inteligentes e baratas. Fazer aula de dança de salão com um professor exatamente no estilo de um bailarino francês. Jogar vôlei no campeonato para se divertir e ganhar. Deixar de fazer os devoirs para ir nas soirées que acabavam sempre às 01h e era um calor do inferno! Ir nas sessões de cinema e dormir quando o filme estava muito chato. Tomar suco de laranja até não poder mais nos cafés da manhã gratuitos. Conhecer pessoas do mundo todo, conhecer culturas do mundo todo. Aprender sobre nossa própria cultura.


Em Vichy fortaleci amizades e fiz outras. Ver os brasileiros juntos, que antes estavam em contato apenas por facebook, foi muito bom! Conhecer e poder aprender a conviver com os mais diversos tipos de pessoas.

Ter mais intimidade com algumas que, de quebra, acabam se tornando parte de nossa família aqui na França. Aqueles em que temos certeza que podemos contar. Compartilhamos bons momentos juntos, e ruins também. Almoços no McDonalds que fica longe de tudo, idas aos supermercados Cora (Coralina) e Carrefour para comprar porcarias, caminhadas pela beira do rio, atravessar o rio de barco, assistir corridas de cavalo, ver os fogos de artifício até embaixo de chuva, (tentar) jogar golf, ficar até tarde conversando e ouvindo música na praia, degustar vinhos sem saber como escolhê-los, ligar pros amigos após gastar alguns euros e esperar que eles nos façam sentir melhor, ficar mais de 15 minutos num café esperando o garçon anotar nosso pedido, conhecer e fazer amizade com a famille d'accueil de seus amigos, ter a oportunidade de ir para a EuroDisney com os amigos, fazer a melhor viagem, para Lyon, com as melhores companhias, emprestar e pedir dinheiro emprestado, reclamar infinitamente da pobreza inicial dos Eiffeis, ter dor de cabeça para conseguir o cartão do banco. Ver a alegria em nossos olhos ao conseguir comprar nosso celular com ligações e mensagens ilimitadas, comprar uma caixa de magnum/cornetto e dividir, dormir na grama do parque para parecer francês, fazer picnic na entrada da Ópera, comer 'pizza de caixa-eletrônico' quando nenhum outro lugar está aberto. Dar e pedir conselhos.Tropeçar sempre em hora cheia, levar tapas depois que seus amigos arrotam, tentar encontrar a casa de um amigo que para ver se ele está bem, marcar os rendez-vous sempre no Quatre Chemins (carinhosamente apelidado de 4C rs), ver campeonato de jet sky, assustar  os seus amigos no escuro, comer crepe e churros. Encontrar o maior cacho de uvas já visto e comprar um pedacinho dele, aproveitar os soldes para comprar roupas e sapatos sendo que sua mala já está lotada. Daí, você compra outra mala. Inventar palavras em francês e dar certo, soltar pequenas frases em português, sem querer, no meio da aula e começar a rir. Ficar nervoso por ter que usar o francês para se comunicar. Desenvolver confiança em algumas pessoas e ver que isso é recíproco.

Crescemos muuuuuuito nesses dois meses, é impossível falar que não. Posso dizer que fiz eternos amigos, que foram essenciais para mim em Vichy. Fico triste, sim, de ter que me separar deles, mas tenho certeza  de que estaremos sempre juntos! Entre eles, Victor, Bruno, Erik e Virgínia: muitíssimo obrigada pela companhia!

Em especial, agradeço demais ao Luiz Gustavo e ao João Victor. Fizeram toda a diferença em Vichy e tenho orgulho em tê-los ao meu lado. Lutamos muito para chegar até aqui, e vamos lutar agora nessa segunda parte do nosso intercâmbio para conseguir o que tanto merecemos! Vocês são sensacionais!

Valeu a pena acordar cedinho para me despedir deles na última sexta e segunda. Odeio despedidas, todo mundo sabe. Odeio me separar daqueles que me fazem bem. 

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." (O Pequeno Príncipe)






Vichy foi demais. Foi uma experiência incrível, tenho certeza que guardaremos sempre grandes boas lembranças dessa pequena cidade!



 


 



Agora, rumo à segunda parte desse intercâmbio!
École Centrale de Nantes me espera, duplo diploma me espera! 

Um comentário:

  1. Orgulho tenho eu de vc!!! =)

    Muito emocionante seu post!

    Sentiremos sua falta!

    ResponderExcluir